agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli Doula e Educadora Perinatal Experiência de 8 anos em atendimento à gestação, parto e amamentação.
FALE COM O COLUNISTA:

Você nasceu ou foi nascido?

Uma, em cada quatro mulheres, sofre algum tipo de violência durante o nascimento dos filhos, ou no acompanhamento pré-natal
Postado em: 23/05/2017 às 08:55
Autor: Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli

O parto é uma experiência única. O nascimento sempre foi um mistério e faz parte da realidade de homens e mulheres, afinal, todos nascemos!

Quando falamos de nascer, quase sempre levamos em conta a própria experiência vivida em nosso nascimento. Todos, em alguma ocasião de nossas vidas, ouvimos nossos pais contarem alguma coisa sobre o dia em que nascemos. Daí a minha pergunta: você nasceu ou foi nascido? Pense nisso.

Como são as histórias cotidianas que nos cercam, como nascemos, como nasceram nossos pais, irmãos, filhos? A partir dessa experiência, formulamos nossa crença sobre o nascimento. Se foram boas, que maravilha! Mas, se foram ruins, o medo e a dúvida pairam em nossa história.

Hoje, se perguntarmos para a grande maioria dos brasileiros descobriremos que quase todos nasceram de um parto violento ou de uma cesárea desnecessária. Uma, em cada quatro mulheres, sofre algum tipo de violência durante o nascimento dos filhos, ou no acompanhamento pré-natal.

Em Araraquara, o número de cesáreas atinge quase 90% na rede privada e em torno de 50% na rede pública. Será que é preciso que seja assim? Há 9 anos o desejo de mudar essa realidade moveu três mulheres a criar um grupo de apoio ao parto humanizado, o Grupo Nascer Naturalmente. O grupo surgiu para preencher essa lacuna entre a nossas histórias de nascimento, realidade obstétrica de nossa cidade e o ideal proposto pela humanização do parto.

Quando falamos em humanização do parto, falamos em protagonismo da mulher, em respeito ao tempo do bebê, numa recepção adequada e sem violência, no acolhimento de mães e bebês desde a gestação, parto e amamentação.

O respeito a mulher, durante o pré-natal e o trabalho de parto, é decisivo para que as crianças que chegam a esse mundo, sintam que ele é bom e aconchegante. Uma mulher que recebe informações faz escolhas conscientes, espera o momento certo, entende o processo de gestação e tem um bom resultado no aleitamento materno.

Quando um bebê nasce de parto natural e respeitado, ele faz o trabalho necessário de maturação, nasce mais ativo e, portanto, consegue mamar com maior eficácia. As mulheres que tem seu parto respeitado sentem-se mais fortes, plenas e encorajadas a cuidar dos seus filhos. Quando uma mulher tem um parto violento ou sofre uma cesárea desnecessária, todo o processo de maternagem fica prejudicado. Os bebês que “são nascidos” apresentam maior dificuldade de mamar e podem ter complicações respiratórias, além de serem marcados para sempre pela recepção violenta.

O objetivo do Grupo Nascer Naturalmente é acolher, respeitar e integrar mulheres e casais grávidos, para que, através de informação, eles possam desmitificar o processo de gravidez, parto e amamentação e, assim, escolher e não ter medo de suas escolhas.

Quando uma mulher e um casal estão informados, eles sofrem menos violência durante o parto e os bebês nascem na hora certa. Então, vamos pensar e repensar a maneira como olhamos para os processos de gravidez e parto. Porque através dessa informação, podemos mudar a nossa realidade e a realidade de outras pessoas que nos cercam.

Se você deseja um parto natural e respeitado, informe-se, fortaleça suas crenças, procure profissionais que darão informação adequada, acolhimento e que respeitarão o seu desejo de parir.

 

Relacionadas

Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017 às 15:57
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Filhos custam caro. Será?
19/06/2017 às 15:57
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
A doula e a humanização do nascimento
02/06/2017 às 17:12

Blogs e colunas