agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Luís Antonio Jornalista e Sociólogo, Luís Antonio integra a equipe do Jornal da Morada, da Rádio Morada do Sol de Araraquara. É formado em Ciências Sociais pela Unesp/Araraquara

Vida longa ao Cine Lupo

Qualquer pessoa interessada numa programação de bons filmes tem nas salas do modesto shopping sua única opção em Araraquara
Postado em: 02/12/2019 às 17:27
Autor: Luís Antonio
Vida longa ao Cine Lupo
Cena de "Bacurau"

Lembro-me de ter escrito há algum tempo um texto de lamentação sobre o fechamento do Cine Lupo. A notícia provocou uma comoção na ocasião, mas o desfecho não chegou a se concretizar. Um empresário se interessou pelo negócio e manteve as salas do modesto shopping da região central de Araraquara em pleno funcionamento.

O fato é que, desde então, tratei de intensificar minha assiduidade ao local. Tal tarefa não exigiu da minha parte nenhum esforço: qualquer pessoa interessada numa programação que não atenda somente os fãs das franquias de super-heróis tem no Cine Lupo sua única opção.

Os administradores do espaço enxergaram essa lacuna da programação e encontraram um bom filão. Não estou certo sobre a resposta do público, nem se a receita é suficiente para a manutenção desse atrativo (até tenho a impressão que o público aumentou se comparado ao período de quase fechamento), mas o fato é: para quem gosta do bom cinema, o Cine Lupo é uma excelente opção.

Desde o início do ano, o público pôde conferir praticamente todos os filmes da “temporada de premiações”: Vice, Nasce Uma Estrela, Green Book, Infiltrado na Klan e A Favorita, por exemplo, estrearam praticamente ao mesmo tempo. A vantagem é que o cinema faz promoção nos preços de segunda à quarta-feira, e a pipoca também não é tão cara.

Foi ali que assisti preciosidades como Cafarnaum, uma das minhas melhores experiências cinematográficas recentemente, além do belíssimo Guerra Fria. Depois, teve o novo Tarantino, Clint Eastwood e Almodóvar. Foi ali que o público de Araraquara também assistiu o fortíssimo sul-coreano Parasita – crítica social das mais agudas, brilhantemente dirigido e carregado de suspense.

O filme sensação do ano, Bacurau, também passou pelo Cine Lupo. Foram sessões apoteóticas. Na que eu estava, o público aplaudiu assim que os créditos começaram a subir. Soube que isso se repetiu em outras sessões.

O Cine Lupo é hoje a casa do cinéfilo araraquarense. Que o público saiba corresponder o esforço e o cuidado dos responsáveis em ofertar uma programação de qualidade numa era em que os blockbusters dominam as salas de todo o mundo e os serviços on demand também concorrem para que a gente fique em casa. Vida longa ao Cine Lupo! O bom cinema agradece.

Relacionadas

Luís Antonio
As obras do OP precisam sair do papel
11/07/2019 às 17:37
Luís Antonio
Neymar, o gigante que nunca será
03/06/2019 às 16:42

Blogs e colunas