agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Luís Antonio Jornalista e Sociólogo, Luís Antonio integra a equipe do Jornal da Morada, da Rádio Morada do Sol de Araraquara. É formado em Ciências Sociais pela Unesp/Araraquara

Por que Araraquara diz “não” às ciclovias?

Plano de Mobilidade Urbana não inclui construção de ciclovias nem ciclofaixas
Postado em: 10/05/2015 às 15:09
Autor: Luís Antonio
Por que Araraquara diz “não” às ciclovias?

Polêmicas à parte, é inegável que a ampliação de ciclofaixas e ciclovias na capital paulista faz parte de um amplo de mudar a lógica da mobilidade praticada atualmente nas médias e grandes cidades e ceder espaço em meio ao trânsito caótico ao transporte coletivo (corredores exclusivos) e não poluentes (bicicletas) em detrimento dos carros, que congestionam ruas e avenidas.

Sabe-se que o uso da bicicleta como meio de locomoção ainda não foi plenamente assimilado. Alguns dos argumentos são plausíveis, como as dificuldades impostas pela topografia ou pelo calor. Este último item é particularmente tocante em Araraquara.

Contudo, é mais do que sabida a necessidade de se incentivar novos meios para aliviar o trânsito insano, ao mesmo tempo em que se busca mais qualidade de vida. Enquanto a CTA agoniza em praça pública e pouca esperança resta de um transporte coletivo mais decente, por que não incentivar o uso da bicicleta?

Coca Ferraz, vice-prefeito e coordenador de Mobilidade Urbana de Araraquara é um dos mais respeitados especialistas sobre o assunto do país. Seu projeto de melhoria na sinalização organizou o tráfego trôpego da cidade, deu mais fluidez e reduziu os índices de mortalidade. É digno de aplausos. Fora que os semáforos com temporizados são mais bonitos e tranquilizam o motorista enquanto espera o sinal verde.

Coca, no entanto, não gosta muito das bicicletas. Já declarou publicamente que não tem intenção de criar novas faixas para as “magrelas”. Disse várias vezes que já outras prioridades. Além de tudo isso, agora a secretaria autorizou a realização de um serviço do DAAE sob a ciclovia do Vale do Sol. Questionado pela reportagem do Portal Morada, afirmou que após as obras, a secretaria estudará o que fazer com aquilo. Não está descartada, como se nota, que ela desapareça. O argumento é de que é pouco usada e desaprovada pela população. Será?

As bicicletas não merecem mais incentivo na Morada do Sol?


Relacionadas

Luís Antonio
Já vi político ser tocado da sacristia
31/10/2017 às 17:37
Luís Antonio
A força da palavra
17/10/2017 às 16:41
Luís Antonio
Moeda de ouro
23/08/2017 às 14:50

Blogs e colunas