agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Luna Meyer Formada em comunicação, especialista em marketing digital e protetora dos animais, utilizo meus conhecimentos para ajudar a causa animal através da informação.
FALE COM O COLUNISTA:

Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais apresenta demandas urgentes de Araraquara

A mesa diretora realizou uma ampla conversa com o prefeito e pediu esclarecimentos e medidas sobre as principais problemáticas na área
Postado em: 30/01/2020 às 17:42
Autor: Luna Meyer
Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais apresenta demandas urgentes de Araraquara
Estive na última quarta feira, 29/01/2020, em uma reunião com o prefeito Edinho Silva junto com a mesa diretora do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais, Carol Mattos Galvão, presidente, Junior Abreu, vice-presidente e eu, Luna Meyer, secretária.

Questionamos a respeito da criação da Coordenadoria do Bem Estar Animal, prometida ano passado com a estrutura do novo PCCV. Nessa Coordenadoria as questões com animais na cidade deixam de ser administradas pela Secretaria da Saúde e ganham uma pasta própria ligada diretamente ao Gabinete do Prefeito.

Essa coordenadoria estava prometida para o início de fevereiro, mas ao que entendemos na reunião, ela vai somente COMEÇAR a ser montada em fevereiro e começará a funcionar efetivamente depois do carnaval. 

O resultado disso infelizmente é mais tempo esperando enquanto as principais questões dos animais na cidade não são resolvidas. Aparentemente o Carnaval é mais importante.

O prefeito nos disse que a estrutura desta coordenadoria ainda não foi definida, mas que fará em breve uma reunião com a futura coordenadora, Gabriela Palombo, que tem dialogado muito com as protetoras sobre a montagem da mesma. Agora precisamos ver AÇÃO.

Enfatizamos que esta nova estrutura precisa ter mais fiscais (são apenas 2 atualmente). Ele falou que isso já está em mente e que serão abertos concursos e que nessa nova estrutura os fiscais serão melhores treinados para essa função.

Falamos também do Centro de Zoonoses que se encontra com uma estrutura totalmente precária: paredes e móveis quebrados, veículos velhos e sem manutenção, o berçário dos filhotes de gato ficam todos acumulados em um pequeno quarto com ventilação precária, a cocheira do cavalo não é coberta, não tendo como dar devido abrigo aos cavalos doentes que venham a ser resgatados, os gatos se acumulam no espaço chamado de Santuário dos Gatos sem nenhuma campanha de adoção, simplesmente largados sem destinação... Além disso falamos da falta de equipamento e estrutura para os funcionários, que não tem equipamentos de captura de animais e  que estão carentes até mesmo de CHIP para celular.

O prefeito enfatizou que com a nova Coordenadoria uma reforma será de fato feita no CCZ, mas não nos deu proporção ou o que vai melhorar, deixando a questão vaga. 

É urgente que exista estrutura para que os animais sejam tratados e para que os fiscais que já têm uma demanda imensa de trabalho tenham condições adequadas de trabalho.

Solicitamos também que o fundo do meio ambiente seja revertido para a causa animal  e que as multas que vem dos maus tratos sejam reinvestidas na própria coordenadoria e demonstradas de forma transparente. Atualmente, elas vão para Secretaria da Saúde de maneira geral.

Enfatizamos a necessidade do aumento de castrações gratuitas, visto que existem colônias imensas de gatos na cidade que depositam milhares de animais nas ruas a cada dia que passa e que essas castrações sejam feitas por setor como a ação realizada há alguns anos no Vale Verde. Castração é a solução e a longo prazo os animais de rua diminuirão consideravelmente causando menos gastos à prefeitura.

Falamos também da lei da chipagem que não tem sido cumprida por conta dos poucos fiscais. A legislação municipal exige que os animais sejam chipados e isso nunca foi levado a cabo de fato. A apuração desta lei geraria mais multas, uma verificação melhor das condições de maus tratos podendo criminalizar quem os fizesse e consequentemente mais dinheiro para ser reinvestido nas questões dos animais.

Enfatizamos que todos esses movimentos precisam ser amplamente divulgados pela própria comunicação prefeitura e que o acúmulo de animais no CCZ se deve PRINCIPALMENTE ao fato deles estarem invisíveis. Precisam haver MAIS feirinhas, abertas à população, incentivo e adoção desses animais a fim de dar um destino mais feliz aos mesmos e também desatolar o canil e o santuário.

O prefeito pareceu entender todas essas necessidades e comprometeu-se a trabalhá-las com a Coordenadoria suas soluções.

Estamos felizes pelo diálogo, mas confesso que eu, pessoalmente, esperava essas medidas sem tantas delongas.

A conversa foi produtiva, agora vamos aguardar o final do carnaval e cobrar ostensivamente pra que tudo que foi prometido seja de fato concretizado.

Blogs e colunas

Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Guilherme  Quintão
Guilherme Quintão
O terceiro turno de Bolsonaro
30/10/2018
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Marcelo  Bonholi
Marcelo Bonholi
A matemática do medo
30/04/2020