agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Marcelo Bonholi Marcelo Bonholi é formado em Jornalismo e repórter do Portal Morada
FALE COM O COLUNISTA:

Cracker ou racker? Que nome podemos dar aos invasores do celular do ministro Sérgio Moro?

Os dois termos destacam pessoas que têm habilidades incomuns e acima da média com computadores
Postado em: 25/07/2019 às 16:26
Autor: Marcelo Bonholi
Cracker ou racker? Que nome podemos dar aos invasores do celular do ministro Sérgio Moro?

Não é difícil, desde o advento dos smartphones, pessoas preocupadas com a sua privacidade. Mas até o momento nenhum sistema que se diga seguro garante 100%.

O trabalho da Polícia Federal ao deflagrar a Operação Spoofing e as conversas reveladas pelo Intercept Brasil, trouxeram à tona o termo “hacker”, que é usado nas redes sociais e pela imprensa de forma indevida.

Cracker ou hacker?

Os dois termos destacam pessoas que têm habilidades incomuns e acima da média com computadores.

São dois grupos de pessoas habilidosas e com tempo de sobra para praticar, mas que usam suas habilidades de formas bem diferentes.

Os hackers melhoram softwares, de forma legal e não invadem sistemas com a intenção de causar danos. Empresas do ramo de tecnologia contratam esses profissionais para testar os sistemas de segurança digital.

Seu celular, SmartTV, navegador e anti-vírus recebem atualizações de segurança? Isso é trabalho de um hacker! Eles checam o tempo todo as vulnerabilidades de sistemas, combatem ataques crackers e criam atualizações para evitar novos ataques.

Na contramão dessa prática estão os crackers, onde se encaixam os acusados detidos pela Polícia Federal, que usam seus conhecimentos e tempo na prática de delitos digitais e quebras de sistemas de segurança de forma ilegal e criminosa.

Todos os mandados de prisão temporária da operação Spoofing foram cumpridos. Gustavo Henrique Elias Santos, Suelen Priscila de Oliveira, Walter Delgatti Neto e Danilo Cristiano Marques são suspeitos da prática de crime cibernético.  Em depoimento, Walter Delgatti Neto assumiu ter invadido o celular do Ministro Sérgio Moro e outras autoridades. A Polícia Federal trabalha com um total de 1.000 vítimas.

A pena para esse crime é pequena, mas acumulativa, o que significa que se comprovada a quantidade de vítimas a pena será multiplicada por esse número.

Nesse caso, Walter Delgatti Neto passa de estelionatário para cracker da mais escandalosa ação criminosa dessa natureza a atingir os poderes políticos do Brasil.

Relacionadas

Marcelo Bonholi
Indignação seletiva
17/05/2019 às 09:37
Marcelo Bonholi
Sobre o "Bolsa Cidadania"
10/05/2019 às 10:40