agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Maria Isabel Escarmin Psicóloga clínica - CRP 06/109049
FALE COM O COLUNISTA:

Um olhar sobre a depressão

"A depressão é e deve ser considerada como um estado grave de sofrimento, pois faz com que a vida não se movimente, escurece qualquer possibilidade de crescimento e sana o prazer em viver."
Postado em: 14/06/2017 às 15:04
Autor: Maria Isabel Escarmin
Um olhar sobre a depressão
Imagem ilustrativa

Segundo a OMS a depressão cresce no mundo, afetando 4,4% da população mundial e 5,8% dos brasileiros. O Brasil é ainda o maior país com prevalência de sintomas ansiosos no mundo com 9,3%. Segundo a OMS, até 2020 a depressão será a doença mais incapacitante ao ser humano.

Dados como esses nos levam a necessidade de refletir como estamos lidando com o nosso interior. Estamos realmente cuidando de nós ou deixando apenas que os dias passem e o tempo se encarregue de tentar curar as feridas?

A depressão é e deve ser considerada como um estado grave de sofrimento, pois faz com que a vida não se movimente, escurece qualquer possibilidade de crescimento e sana o prazer em viver.

Estar num estado depressivo é abandonar-se ao ponto de perder a vontade de ver o sol nascer.

Alguns sintomas clássicos e muito debatidos são sinais claros de que é preciso procurar ajuda: tristeza profunda por mais de três semanas, incapacidade de trabalhar e falta de prazer nas atividades que antes eram prazerosas, choro constante, insônia ou sono excessivo... Enfim, sintomas melancólicos que nos levam a pensar na depressão.

Mas é importante que estejamos atentos aos sintomas secundários que podem passar despercebidos ou ser confundidos com o estresse da vida diária: irritabilidade constante, falta de concentração, baixa libido, dores e queixas que depois de várias consultas médicas não são diagnosticadas, perda de apetite ou até mesmo um apetite voraz, sentimento de vazio e baixa auto-estima, isolamento podem ser um sinal de que é preciso procurar ajuda.

Muitas vezes a ansiedade vem como comorbidade da depressão. Sintomas ansiosos aparecem "do nada". O coração dispara, o ar falta, o corpo todo treme descompassado, um terror interior se instala e a sensação de morte é inevitável.

Crises como essas nos levam a pensar que é hora de por os pés no chão, respirar profundamente e encarar o que nosso corpo nos mostra: Nossa mente requer e grita por cuidado.

É claro que não se pode generalizar os sintomas, mas a procura por ajuda psiquiátrica e psicológica se faz necessária para que a vida volte nos eixos, ou ao menos, tente voltar.

Quando cuidada, os sintomas se minimizam e a alegria em viver pode bater à porta novamente.

Não ignore um sintoma ansioso, não deixe que o tempo tente curar as dores de seu coração, tome as rédeas de sua vida (e é difícil, eu sei) e se permita ser feliz. Você merece, pois é dentro de você que habita a semente de todo o seu potencial e alegria.

Caso exista alguém ao seu lado que precise de ajuda, acolha, ofereça. Faça de sua presença a ponte que a pessoa necessita para atravessar essa guerra interna.

Quando negligenciada a depressão pode evoluir para auto-mutilação e até mesmo para o suicídio.

Precisamos acabar com o tabu de que cuidar da saúde mental é coisa de doido. Coisa de doido é permitir que a vida passe numa tela acinzentada enquanto os dias estão coloridos lá fora.

Talvez você leitor esteja passando por isso, é eu sei que e difícil e eu sei que dói, mas acredite, somente você pode fazer a vida renascer, procure ajuda, você não está só.

Lembre-se: os sintomas e sensações que parecem vir do nada tem uma resposta em seu inconsciente, procurar ajuda, conhecê-los e identificá-los é um meio para a melhora. A depressão e a ansiedade não vêm do nada, elas tem um porquê, uma raiz inconsciente, que sozinhos não conseguimos enxergar.

Procure ajuda, você merece ser feliz.

Relacionadas

Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017 às 07:36
Maria Isabel Escarmin
A terapêutica da arte
29/08/2017 às 16:24
Maria Isabel Escarmin
Não romantize o que te fere o peito
07/08/2017 às 08:00

Blogs e colunas