agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Maria Isabel Escarmin Psicóloga clínica - CRP 06/109049
FALE COM O COLUNISTA:

Nota sobre o transtorno obsessivo compulsivo

"As obsessões se caracterizam por pensamentos ou imagens intrusivas que vêm à cabeça de forma independente"
Postado em: 06/07/2017 às 07:57
Autor: Maria Isabel Escarmin
Nota sobre o transtorno obsessivo compulsivo

O transtorno obsessivo compulsivo (TOC) tem como característica principal as obsessões e/ou as compulsões. As obsessões se caracterizam por pensamentos ou imagens intrusivas que vêm à cabeça de forma independente e, embora a pessoa que sofre saiba que não fazem sentido, não consegue evitá-los, passando a sofrer constantemente com isso, enquanto as compulsões se caracterizam por rituais repetitivos com padrões extremamente rígidos em que a pessoa se sente obrigada a realizar a fim de sentir-se mais aliviada.

As obsessões e as compulsões podem acontecer juntas ou separadamente, quando a pessoa a fim de neutralizar os pensamentos ruins que a assaltam acaba por realizar rituais repetitivos, mesmo ciente da falta de sentido desses.

A realização desses rituais tem como objetivo diminuir a ansiedade que se manifesta perante os pensamentos obsessivos, assim, a pessoa se encontra num círculo vicioso de manifestações inconscientes que trazem um grande prejuízo para seu dia a dia como também um grande esgotamento mental.

Compulsões frequentes como lavar as mãos, verificar portas e janelas ou executar uma série de atos pré-programados mentalmente a fim de evitar algum mal que a pessoa imagina ou fantasia são alguns exemplos do transtorno obsessivo compulsivo.

Esse transtorno pode manifestar-se em adultos e crianças e tende a piorar quando a pessoa passa por momentos estressantes ou traumáticos, de maior preocupação ou ansiedade. Assim, as compulsões e obsessões se apresentam de modo oscilante e podem estar relacionadas à outros transtornos como depressão, transtorno da ansiedade generalizadas, crises de pânico, entre outros.

O tratamento para o transtorno obsessivo compulsivo se da através de psicoterapia, onde a pessoa tende a reconhecer seus medos e aflições inconscientes e então conseguir controlar sua ansiedade a fim de diminuir as obsessões e as compulsões e seu agravamento.

O tratamento psiquiátrico com medicamentos também se faz necessário em alguns casos, onde o prejuízo psico e social é grande, levando a pessoa a grandes crises de ansiedade e até mesmo ao isolamento.

Se não cuidado, o transtorno obsessivo compulsivo pode tornar-se crônico e vir a ocupar a maior parte do tempo, tornando-se um fardo cada vez maior, afetando a rotina e a vida mental e social de quem sofre.

Esse transtorno, porém, não deve ser confundido com manias que não geram prejuízos a quem as executa e nem deve ser encarado como algo passageiro.

É preciso que a pessoa que sofre procure e tenha ajuda, pois a melhora dos sintomas é percebida de forma substancial no modo da pessoa sentir e viver a vida.

Relacionadas

Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017 às 07:36
Maria Isabel Escarmin
A terapêutica da arte
29/08/2017 às 16:24
Maria Isabel Escarmin
Não romantize o que te fere o peito
07/08/2017 às 08:00

Blogs e colunas