agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Murilo Reis Professor, mestre em Estudos Literários pela Unesp e autor do livro de contos "Identidades secretas"
FALE COM O COLUNISTA:

Dar um tempo no smartphone

"Dirigido por Clint Eastwood, 'A mula' é a representação de uma carreira quase exclusivamente dedicada ao trabalho"
Postado em: 20/03/2019 às 07:26
Autor: Murilo Reis
Dar um tempo no smartphone

Doze em cada dez pessoas ficam felizes com a chegada do fim de semana ou de algum feriado.

Porém, tudo na vida tem dois lados, já dizia o finado Moacir, filósofo do Bar do Paulo, lá em Matão. Entre essa dúzia que anseia por momentos de folga, sempre há aquele que implora por hora-extra, seja para provar seu valor ao contratante ou simplesmente aumentar a renda do mês.

Mas há também o que ama estar no ambiente de trabalho. É ali que fica à vontade, como se fosse um artista no seu palco. Quando está em casa, assemelha-se aos ex-combatentes da Guerra do Vietnã: não consegue se adaptar ao lar. Precisa voltar ao front.

A arte imita a vida. Moacir nunca disse isso, mas certamente concordaria com o filósofo criador de tal máxima.

Dirigido por Clint Eastwood, "A mula" é a representação de uma carreira quase exclusivamente dedicada ao trabalho. Interpretado pelo próprio diretor, Earl Stone é um floricultor de sucesso. Entretanto, a popularidade usufruída entre clientes e parceiros não é a mesma no âmbito familiar. Por causa do trabalho, abdicou de participar de importantes celebrações - o casamento da filha, por exemplo.

Como escreveu João Pereira Coutinho na crônica "O melhor filme de 2018 foi ignorado pelo Oscar", Earl é um artista enquanto profissional, mas um fracasso na função de pai e marido.

Quando seu negócio vai para o brejo, o nonagenário aceita a primeira proposta de emprego que aparece: transportar cocaína em sua camionete para a máfia mexicana. Sedentos por aposentadoria renunciariam, mas Earl não é um deles. Estar na estrada sentindo o vento bater no rosto e cantando letras de jazz é tudo o que ele quer.

Aliás, péssimo cantor que sou, se conhecesse as músicas de sua playlist, provavelmente cantaria junto.

Meu top 3 de Eastwoods: "Os imperdoáveis", "Menina de ouro" , "Gran Torino". "A mula" não chega perto de integrá-lo, mas não deixa de ser um bom filme. Eficaz válvula de escape para aqueles que desejam sair do esgoto da política e dar um tempo no smartphone.

Relacionadas

Murilo Reis
Sobrevida a universos mágicos
21/10/2020 às 10:40
Murilo Reis
Prática de estilo
13/10/2020 às 17:03
Murilo Reis
Invisível a olhos desatentos
28/09/2020 às 17:17

Blogs e colunas

Murilo  Reis
Murilo Reis
Sobrevida a universos mágicos
21/10/2020
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Guilherme  Quintão
Guilherme Quintão
O terceiro turno de Bolsonaro
30/10/2018
Matheus  Santos
Matheus Santos
Deixo aqui um até breve
10/08/2020
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Marcelo  Bonholi
Marcelo Bonholi
A matemática do medo
30/04/2020