agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Rodrigo Viana Jornalista, mestre em Literatura e Semiótica pela Unesp. Autor de "A Bola e o Verbo - o futebol na crônica brasileira", ancora o Painel Paulista Esportes
FALE COM O COLUNISTA:

Bola fora do futebol brasileiro

"É estranho num país que teve Afonsinho, Reinaldo, Sócrates e tantos outros jogadores defendendo a democracia, enxergar nos atuais ídolos defesas escancaradas da homofobia, misoginia e racismo"
Postado em: 23/10/2018 às 16:08
Autor: Rodrigo Viana
Bola fora do futebol brasileiro

Às vésperas das eleições mais conturbadas depois da redemocratização do país, alguns dos principais atores do nosso futebol tupiniquim fazem parte do jogo.

Ronaldinho Gaúcho, um dos mais habilidosos jogadores de nossa história, driblou à direita e declarou seu apoio ao candidato do PSL Jair Bolsonaro. Nas redes sociais, Ronaldinho publicou uma foto com uma camisa 17, o número de Bolsonaro nas urnas, e inseriu ainda uma mensagem dizendo que defende o Brasil e espera o "melhor" para o país, com "paz, segurança e alguém que nos devolva a alegria."

A posição de Ronaldinho Gaúcho surpreendeu o Barcelona (clube em que o meia-atacante brasileiro fez sucesso) pelas posições extremas e antagônicas aos valores que encarnam não só o Barcelona e sim também a sociedade em geral, afirmou o jornal Sport, de Barcelona

A diretoria do Barcelona tomou uma atitude radical e decidiu reduzir as participações do ex-jogador como embaixador mundial do clube devido ao apoio a Jair Bolsonaro .

De acordo com o jornal catalão "Sport", o posicionamento de Ronaldinho Gaúcho "surpreendeu o clube". O mesmo deve acontecer com Rivaldo, que também apoia Bolsonaro.

 

Bola fora de Neymar

Outro astro do futebol brasileiro e mundial, Neymar, pode não ter feito uma excelente Copa do Mundo, mas faz parte do jogo de Jair Bolsonaro. Após o 1º turno da eleição, fãs de Neymar criticaram o jogador nas redes sociais por ele ter curtido uma postagem favorável ao candidato Jair Bolsonaro, do PSL. Neymar curtiu uma publicação de Alan Patrick, ex-jogador do Flamengo e atualmente meia do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia.

No post, Patrick diz que o Brasil precisa de um presidente que "resolva os problemas do país e não que nos ensine valores, isso temos que aprender em casa, na escola". A foto que acompanhava essa legenda mostra uma camisa da seleção brasileira com o número 17, o mesmo do candidato do PSL.

É estranho num país que teve Afonsinho, Reinaldo, Sócrates e tantos outros jogadores defendendo a democracia, enxergar nos atuais ídolos defesas escancaradas da homofobia, misoginia e racismo. Não combina em nada com a subversão do drible, com o jeito lúdico e livre do brasileiro jogar futebol. Talvez essas posições expliquem, em parte, o quão chato anda nosso futebol.

Gol contra do futebol brasileiro.

Relacionadas

Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019 às 07:30
Rodrigo Viana
Povo de Deus
11/12/2018 às 17:35
Rodrigo Viana
Vai começar de novo...
20/04/2018 às 16:20

Blogs e colunas

Luís Antonio
Luís Antonio
Indigência docente
17/04/2019
Murilo  Reis
Murilo Reis
Na dúvida, fico com a cerveja
03/05/2019
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Guilherme  Quintão
Guilherme Quintão
O terceiro turno de Bolsonaro
30/10/2018
Matheus  Santos
Matheus Santos
Agora mais essa, o Bolsa Cidadania
17/05/2019
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Marcelo  Bonholi
Marcelo Bonholi
Indignação seletiva
17/05/2019