agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Rodrigo Viana Jornalista, mestre em Literatura e Semiótica pela Unesp. Autor de "A Bola e o Verbo - o futebol na crônica brasileira", ancora o Painel Paulista Esportes
FALE COM O COLUNISTA:

Os grandes e os pequenos

"Neymar é pop, é diferente, todo mundo quer falar de Neymar. Eu também. Óbvio. "
Postado em: 13/10/2017 às 16:39
Autor: Rodrigo Viana
Os grandes e os pequenos

Costumo comparar o futebol à vida. Assim, a luta pela bola simboliza, metaforicamente, a luta pela vida.

Digo isto porque em nosso programa de TV, na Cultura Paulista, na última semana, Neymar, um "grande", foi várias vezes destaque por atitudes "pequenas" fora de campo.

Um genial jogador, um fora de série dentro de campo, um atleta que deve tornar-se, muito brevemente, o melhor do mundo... Esse mesmo jogador brigou com um companheiro de time porque o companheiro não o deixou bater o pênalti. Este mesmo jogador foi às redes sociais e postou frases ofensivas contra um anônimo que estava mandando mensagens em seu nome na França.

Neymar é pop, é diferente, todo mundo quer falar de Neymar. Eu também. Óbvio. Critiquei o jeito espalhafatoso dele se vestir. O brinco, as tatuagens. Acho Neymar excessivo, exagerado e isso desconstrói a personalidade dele.

Neymar, o gênio, faz um losango esquizóide na cabeça do torcedor. Ninguém mais sabe se ele é o 'mocinho' ou o 'bandido' da história.

Penso que gênios, foras da curva, atletas acima da média como ele, deveriam seguir por uma linha porque funcionam como espelho para a sociedade e para a vida.

Vou fechando esta minha primeira coluninha aqui no portal citando outro gigante, este o que conheço de maior literariamente falando, João Guimarães Rosa. A frase do matuto Riobaldo, personagem de Rosa em seu Grande Sertão: Veredas, serve muito para esse momento dual de Neymar:

“Eu careço de que o bom seja bom e o ruim ruim, que dum lado esteja o preto e do outro o branco, que o feio fique bem apartado do bonito e a alegria longe da tristeza! Quero os todos pastos demarcados... Como é que posso com este mundo? Este mundo é muito misturado.”

Relacionadas

Rodrigo Viana
Até onde chega a Ferroviária?
26/01/2018 às 07:52
Rodrigo Viana
Muita bola vai rolar
05/12/2017 às 17:30
Rodrigo Viana
PC, o diferente
14/11/2017 às 07:41

Blogs e colunas

Luís Antonio
Luís Antonio
Uma condenação injusta
25/01/2018
Murilo  Reis
Murilo Reis
Suor, tropicões e boas resenhas
08/02/2018
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Paulo  Tetti
Paulo Tetti
Militância LGBT
24/11/2017
Guilherme  Quintão
Guilherme Quintão
Petistas, tucanos e o fator Bolsonaro
28/11/2017
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Até onde chega a Ferroviária?
26/01/2018