agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Cultura
FALE COM A REDAÇÃO:

Ernesto Lia, Patrimônio Emérito Cultural Araraquarense

Artista recebeu prêmio na última sexta-feira (09), na Câmara de Araraquara
Postado em: 12/03/2018 às 16:23
Autor: Redação
Ernesto Lia, Patrimônio Emérito Cultural Araraquarense
Márcia Lia, Ernesto Lia, Edinho Silva e Paulo Landim

O artista plástico Ernesto Lia foi condecorado com o Diploma de Honraria de Patrimônio Emérito Cultural Araraquarense, em solenidade na Câmara Municipal de Araraquara na noite da última sexta-feira (9). A homenagem integrou as comemorações ao Dia Municipal do Patrimônio Emérito Cultural, instituído pela Lei Municipal nº 9189, de 2018, de autoria do vereador Zé Luiz – Zé Macaco (PPS), a ser comemorado anualmente no dia 09 de março.

A honraria, promovida pela Associação de Bueno de Andrada para Cultura e Turismo Rural (Abatur), visa agraciar pessoas naturais que se destacaram, no âmbito do Município ou fora dele, em atividades políticas ou sociais de produção artístico-cultural. “Nosso propósito é prestigiar, em vida, nossos ilustres araraquarenses que contribuíram para o enaltecimento e a elevação do nome de Araraquara. A homenagem ao artista se justifica pela qualidade do conjunto de sua obra. Ernesto Lia é patrimônio cultural de Araraquara”, destacou o presidente da Abatur, Théo Bratfisch.

 

Sobre o homenageado

Reconhecido internacionalmente, o artista plástico Ernesto Lia nasceu em Araraquara há 78 anos. Filho do italiano José Lia e da brasileira Paschoalina de Lucca, Ernesto Lia cresceu em meio a uma família numerosa de 11 irmãos.

Membro da Academia Brasileira de Belas Artes, do Le Centre International D'Art Contemporain Paris e da Accademia Mondiale degli Artísti e Professionisti da Accademia Tiberiana de Roma, sua produção – essencialmente impressionista - inclui portraits e paisagens.

Graduou-se em 1956 pela Escola de Belas Artes de Araraquara, hoje extinta. Em seguida, estagiou no ateliê do pintor italiano Gaetano De Gennaro, em São Paulo, onde se aperfeiçoou em portraits. No ano de 1959, recebeu a Grande Medalha de Ouro da Associação dos Artistas Unidos do Brasil por seu reconhecimento dentro da arte brasileira com a tela em pastel "Gabriela Cravo e Canela".

Desde então, ganhou diversos prêmios, nomeações e outorgas em várias localidades nacionais e internacionais, incluindo a nomeação como "Membro do Grand Prieuré do Brasil e Suíça", a "Gold Great Master Medal" - Curtis Hixon Convention Center, "Grande Médaille D'or" - Exposition D'art Contemporain – Nice e "A Medalha Grande de Ouro" - 1ª Mostra de Arte Contemporânea Brasileira - Expofair - Lisboa.