“Salve, Malala” é a atração do Teatrada

Espetáculo é livremente inspirado na vida de Malala Yousafzai, jovem paquistanesa que recebeu o prêmio Nobel da Paz de 2014

Compartilhe

“Salve, Malala” é a atração do Teatrada
Imagem: Cris Lozano

Léia Rapozo e Alessandro Hernandez estarão no Sesc Araraquara neste domingo (5), às 11h30, apresentando o espetáculo infantil “Salve, Malala”, inspirado na jovem paquistanesa que foi baleada pelo Talibã em 2012.Os ingressos variam entre gratuitos e R$10 (dez reais), e podem ser retirados no dia, a partir das 9h30.

Com direção de Cris Lozano, o projeto foi contemplado pelo PROAC Editais da Secretaria Estadual de Cultura. A montagem conta a história de duas crianças que vivem em uma aldeia imaginária. Confinados, reconstroem a história da aldeia em que vivem. Do lado de fora, existe uma guerra, e elas acompanham essa situação revivendo acontecimentos e apresentando personagens dessa aldeia.

“Para a criação deste trabalho tivemos como referência inspiradora a história da menina paquistanesa Malala Yousafzai, que no ano de 2012 sofreu um atentado organizado pelo Talibã, grupo extremista que ela enfrentava em seu blog “Diário de uma estudante paquistanesa”, associado a BBC Urdu. Por meio de um pseudônimo, ela defendia o direito à educação de meninas e meninos e fazia severas críticas a este movimento. Ali ela apresentava as várias dificuldades impostas pelo Talibã, que até hoje controla o lugar em que ela morava, o Vale Swat, no Paquistão.

A partir dessa narrativa verídica, criamos uma história em uma aldeia fictícia onde não existe um ou uma protagonista, mas várias personagens que, a partir de um imaginário, apresentam maneiras de ocupar o mundo em que vivem com vistas a conquistarem suas liberdades e serem mais atuantes.

A história de violência contra uma menina muito jovem resultou, na vida real, na defesa de um grande ideal de igualdade e luta pelo direito à educação. A construção desse espetáculo pretende criar ‘janelas’ para abordagens que possam suscitar nos jovens esse ensejo de pensar e se articular no mundo em que vivem para, de fato, provocarem mudanças.”

 

  • Sobre Malala

Malala nasceu em 12 de julho de 1997, em Mingora, a maior cidade do Vale do Swat, região noroeste do Paquistão e próxima à fronteira com o Afeganistão. A situação da educação no país é de extrema precariedade e, segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o país tem mais de cinco milhões de menores entre cinco e 11 anos que não frequentam a escola, sendo que duas em cada três crianças são meninas.

Seu pai, Zia-ud-DinYousafzai, sempre foi um defensor da educação e dono de uma escola mista de ensino médio. A luta para educar a menina e manter sua escola começou em 2007, quando o Tehrik-i-Taliban (braço paquistanês do Taliban) infiltrou-se em Mingora e destruiu mais de 400 escolas, baniu as mulheres da vida social, proibindo-lhes o acesso à educação, e aterrorizou a população com execuções públicas e ameaças transmitidas por rádios clandestinas.

Malala mudava o caminho para a escola todos os dias, escondia os livros e não usava mais o uniforme para não chamar a atenção. Em 2009, encorajada por seu pai, começou a escrever o blog “Diário de uma estudante paquistanesa” para a BBC urdu, com o pseudônimo GulMakai, sobre as dificuldades que enfrentava no Vale do Swat sob a égide do Taliban. Sua identidade real tornou-se conhecida através do documentário produzido pelo “The New York Times” no mesmo ano, “ClassDismissed”.

Àquela altura, Malala já havia se tornado um ícone por defender a educação feminina e criticar abertamente o Taliban, algo que nem os políticos paquistaneses faziam por medo. Em dezembro de 2011, recebeu do primeiro-ministro YousafPazaGilano o Prêmio Nacional da Paz. Em outubro de 2012 um homem armado atirou em sua direção, a bala atravessou seu pescoço, instalando-se no ombro.

Na Inglaterra fez uma operação para reconstruir o crânio e restaurar a audição. Recuperada, hoje mora com a família em Birmingham, onde estuda em um colégio só para meninas. Desde o atentado, Malala foi homenageada com diversos prêmios e é a pessoa mais jovem a ser indicada para o Prêmio Nobel da Paz.

“Esta biografia nos serviu de inspiração para a construção da dramaturgia do espetáculo e principalmente, para refletirmos sobre a situação educacional e o lugar da mulher brasileira hoje. Durante os meses de preparação (2015-2016), assistimos a transformação da nossa historia através das vozes dos estudantes secundaristas e suas ações de organização e ocupação das escolas. Isso foi fundamental para perguntarmos sobre quais territórios/nações iriamos nos atentar para construir a nossa estória poética”, contam os envolvidos na produção do espetáculo.

Serviços

Espetáculo “Salve, Malala”

Dia: 5/2, domingo

Horário: 11h30

Local: Teatro

Classificação: livre

 

Ingressos:

Grátis (Crianças até 12 anos e matriculados no Sesc / Credencial Plena);

R$ 5,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante);

R$ 10,00(Inteira / Credencial Atividades).