agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

Vítima de suposta homofobia denuncia falta de investigação

Jovem de 19 anos, encontrado pela polícia com sinais de espancamento, aguarda resposta há 9 meses
Postado em: 05/10/2018 às 15:30
Autor: Chico Lourenço
Vítima de suposta homofobia denuncia falta de investigação
Allan tem 19 anos e suspeita que foi vítima de homofobia. Ele aguarda resposta há 9 meses

O jovem Allan Ulisses Tenório, 19 anos, foi encontrado pela polícia Rodoviária de Araraquara desacordado e com sinais de espancamento. Ele estava caído próximo a uma casa de shows, perto da Rodovia Washington Luís, no dia 1º de janeiro de 2018. E, até agora, 9 meses depois, o jovem não tem uma resposta das autoridades sobre o que aconteceu naquele início de ano.

O jovem homossexual ficou internado na Santa Casa e passou por cirurgia na cabeça. Ele acredita ter sido vítima de ato de homofobia. Um Boletim de Ocorrência foi registrado na polícia cinco dias depois após a internação pelo próprio Allan, que procurou a delegacia. Por enquanto, nenhuma resposta. Ele critica também a Assessoria de Políticas LGBT, órgão ligado à Prefeitura de Araraquara, por falta de apoio (vídeo abaixo).

Outro lado

A Assessoria de Políticas LGBT encaminhou nota ao Portal Morada esclarecendo que “atua na defesa dos direitos da população LGBT, por todos os meios legais que se fizerem necessários, fiscalizando e cobrando o cumprimento da legislação vigente, visando o combate de todas as formas de discriminação e de violência.”

Sobre o caso específico, disse que a assessora Filipe Brunelli esteve na residência de Allan para levantar os fatos e lançar a ocorrência nos registros da Assessoria.

“Na ocasião, a vítima foi orientada também sobre a necessidade de se dirigir até uma delegacia para registrar o caso. No entanto, dispensou o acompanhamento da Assessoria e informou que a executiva de um partido político o acompanharia. Desde então, mesmo a Assessoria tendo se colocado à disposição, não houve mais contato.”

A nota informa ainda que a Assessoria de Políticas LGBT “repudia toda e qualquer forma de violência e está à disposição, sempre, para atuar de forma a prevenir, acompanhar e denunciar casos como esse.”