agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

"Muitos vão morrer. Sejam rigorosos", desabafa Dr. Durante

Diretor relata situação crítica no Hospital São Paulo - Unimed
Postado em: 16/02/2021 às 10:22
Autor: Adriana Nagazako

“Já transformamos o Hospital São Paulo quase em um ‘hospital da covid’”, afirmou o Dr. Antonio Carlos Durante, diretor da instituição, na manhã desta terça-feira (16) em entrevista ao Jornal da Morada.

Com 70 pacientes internados em enfermaria e 18 internados em UTI – sendo 3 entubados e o restante dependendo de oxigênio, Durante critica a população que ainda circula sem tomar os devidos cuidados: “As pessoas tem que entender que vão morrer se não respeitarem as medidas de isolamento social. Quem vai em aglomerações na frente do Gigantão, no Tipuanas, vai morrer. O vírus está matando jovens. Um paciente de 31 anos morreu nesta madrugada. Temos que ser agressivos com essas pessoas que não respeitam as medidas, todo o país vai passar por essa situação que estamos passando agora. Se não se prepararem, vão sofrer”, afirma.

De acordo com o médico, apesar de todos os esforços na ampliação de leitos para coronavírus e de toda a tecnologia, a situação é considerada “terrível”, com profissionais da saúde, enfermeiros e médicos no limite: “Tem 70 internados em enfermaria e não sabemos se eles vão piorar. Vocês não imaginam o que é passar a noite com dois respiradores, esperando chegar mais. Parece que isso não tem fim!”.

“Nada adianta se o pessoal não entender o que está acontecendo! Se você foi contaminado, está em tratamento, suma de perto da sua família, você vai passar para todos e matar a sua família. Meu medo é não ter onde internar esse pessoal. Lógico, teremos que arrancar tudo o que tem no hospital para atender os contaminados. E vai prejudicar pacientes que precisam de outros serviços. Vai morrer muita gente ainda. Sejam rigorosos”, desabafa o Dr. Durante.

“Falta cuidado e decência. Tem que usar máscara! A PM tem que abordar, nós temos que abordar, somos fiscais da população e temos que nos unir nesse momento”, completa.