agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

Araraquara registra alta no emprego pelo 4º mês consecutivo

Setores de serviços e indústria tiveram o melhor desempenho
Postado em: 25/10/2018 às 17:12
Autor: Redação
Araraquara registra alta no emprego pelo 4º mês consecutivo

Araraquara registrou o quarto mês consecutivo de alta na geração de empregos com carteira assinada. De acordo com levantamento feito pelo núcleo de economia do Sindicato do Comércio Varejista de Araraquara (Sincomercio), com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), foram criadas 231 novas vagas em setembro. No total, foram registradas 2.405 admissões ante 2.174 desligamentos.

Délis Magalhães, economista do Sincomercio, comenta que nos últimos meses o setor de serviços tem se destacado pela recuperação de vagas, uma vez que obteve o pior resultado no ano passado e no início de 2018. O segmento industrial também apresentou bom desempenho nos meses de agosto e setembro, “O principal motivo são as encomendas de final de ano, que tradicionalmente iniciam em setembro. O segmento que mais sofreu queda foi o da Agropecuária devido ao período de entressafras em diversos produtos”, explica.

Se compararmos os setores de indústria e serviços, o último apresentou o melhor resultado, impulsionado principalmente pela atividade de comércio e administração de imóveis. Considerando os meses de janeiro a setembro desse ano, o setor criou 423 postos de trabalho. No mesmo período, o segmento havia fechado com 568 vagas formais em 2017.

De acordo com a economista, os resultados mensais de janeiro a setembro de 2018 indicam uma retomada no cenário empregatício em relação ao ano passado. Em comparação com o mesmo período de 2017, o crescimento foi de 1.215 novos postos ante as 134 vagas do ano passado.

 

Expectativas

As perspectivas para os meses de outubro e novembro são boas, uma vez que esses meses concentram a abertura de vagas para suprir a demanda das festas de final de ano. Porém, Délis completa que “a situação política instável pode afetar diretamente as decisões de investimento e de consumo da população, gerando tensões no ambiente econômico”, ressalta.