Emprego: dezembro teve mais demissões do que contratações

Mais de 700 postos de trabalho foram fechados em Araraquara no último mês de 2016; Setor varejista foi o que criou mais vagas

Compartilhe

Emprego: dezembro teve mais demissões do que contratações

O mês de dezembro, que geralmente apresenta um aumento no número de contratações para atender à demanda das festas de fim de ano, surpreendeu negativamente e registrou mais demissões do que contratações. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do trabalho (Caged), 737 postos de trabalho foram fechados em Araraquara no último mês de 2016.

O saldo negativo no emprego formal é resultado de 1.680 admissões ante 2.427 demissões. A redução dos postos de trabalho atingiu todos os setores da economia, exceto o da construção civil, que criou três novas vagas em dezembro. O comércio também teve um saldo negativo de 15 vagas em dezembro de 2016, mas a classe varejista fechou no positivo, registrando a abertura de uma vaga de trabalho.

Os supermercados foram os que mais ajudaram o varejo a manter o saldo positivo, pois abriram 35 novos postos de trabalho. O segmento de autopeças e acessórios registrou sete novas vagas e as lojas de móveis e decoração criaram dois postos novos.

A indústria foi o setor mais afetado pela redução, encerrando dezembro com um saldo negativo de 393 vagas. No segmento de serviços, foram 296 postos de trabalho fechados e no setor agropecuário 36.

De acordo com a pesquisadora Délis Magalhães, do Núcleo de Economia do Sindicato do Comércio Varejista de Araraquara (Sincomercio), que atua em parceria com o Núcleo de Conjuntura, Finanças e Empreendedorismo da Unesp Araraquara, o mercado de trabalho continua sem sinais de recuperação, ainda que haja um aumento do otimismo com a economia brasileira.

 “A tão esperada retomada econômica não ocorreu no segundo semestre de 2016. A recuperação do mercado de trabalho vem se mostrando mais lenta do que as projeções iniciais. A intenção de consumo das famílias continua estagnada nesse início de 2017. Com um rendimento mais baixo e uma taxa de juros ainda alta, os consumidores permanecem cautelosos e evitam ao máximo a obtenção de crédito”, ressalta Délis.

Segundo a pesquisadora, a diminuição de vagas nos estabelecimentos ocorreu devido à necessidade de redução de custos. “A retomada das contratações depende muito mais da capacidade financeira para realizá-las do que simplesmente de maior confiança ou melhores horizontes”, avalia.