A nota 10 de Nadia Comaneci: o dia em que o esporte alcançou a perfeição

Por: BBC Brasil

Compartilhe

A nota 10 de Nadia Comaneci: o dia em que o esporte alcançou a perfeição

 

Um momento mágico dos Jogos Olímpicos completou 40 anos nesta semana: o dia em que Nadia Comaneci voou direto para a história com seu último movimento nas barras assimétricas.

Naquele 18 de julho de 1976, ela finalizava uma série com execução impecável, na qual combinou com perfeição sua graça corporal a uma técnica jamais vista. Foi a primeira nota dez da história da ginástica artística.

Foram menos de 20 segundos de série, mas eles seguem sendo lembrados e admirados quatro décadas depois.

"Às vezes passa devagar para você, apesar de a rotina ser muito rápida. É movimento atrás de movimento, segundo atrás de segundo", lembrou Comaneci ao falar da atuação histórica.

"Eu não era dessas que olhava para o placar imediatamente depois de uma série, mas lembro que havia um barulho inacreditável do público", contou ela.

"Nesse momento eu não sabia o que estava acontecendo, porque o marcador só tinha três dígitos e o que mostrava era 1.00. Não havia espaço para um 10".

A atleta relatou que não sabia que aquele feito era inédito, mas entendia que era a pontuação mais alta possível.

"Eu fiquei muito feliz. É como estar na escola e tirar um 10 em matemática."

 

Inocência

Comaneci tinha 14 anos quando disputou os Jogos de Montreal e tem certeza que isso foi algo que a beneficiou.

"Quando saí da Romênia, disse a um jornalista que esperava ganhar uma medalha e, se possível, de ouro", contou ela, que em 1989 deixou o então país comunista e se radicou nos Estados Unidos.

"Sabia que tinha capacidade de fazer uma série perfeita, mas conseguir durante os treinos e fazer na frente de 15 mil pessoas são duas coisas diferentes."

"Quando penso nisso, acho que minha idade ajudou, porque você não sabe de muita coisa quando é criança."

"Você não tem medo. Também fui sem saber o que havia fora do mundo da ginástica, por isso não sentia a pressão que recai sobre os principais atletas das grandes competições."

Ela diz que com o tempo ficou mais emotiva em relação àquela competição histórica.

"Com o passar dos anos, aquilo se torna muito mais valioso. Eu entendo muito melhor como aquilo foi importante."

Além do dez perfeito nas barras assimétricas, Comaneci conseguiu a nota máxima em outras seis ocasiões, ganhando três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze.

Em Moscou, quatro anos depois, ganhou outras quatro medalhas.

"Acredito que é mais importante conseguir coisas pequenas a cada dia e isso te encaminhará a uma direção que te permitirá alcançar coisas maiores no futuro", avalia.

"Eu sempre disse que desejava ganhar uma medalha olímpica. E ganhei nove."

Depois de Comaneci, outras ginastas conseguiram a marca perfeita.

Mas essa façanha do esporte é algo ao qual não se pode mais aspirar.

Em 2006, a Federação Internacional de Ginástica decidiu modificar o sistema de pontuação porque muitos atletas estavam tirando boas notas fazendo uma série com dificuldade mínima e boa execução.

Assim, os que faziam séries mais difíceis e inovadoras - e, por isso, com mais erros - acabavam com notas mais baixas.

Agora, as notas são divididas entre execução, que vale 10, e dificuldade, que não tem limite máximo. As notas são somadas e esta é a pontuação final.

É um sistema mais difícil para o público entender, porque não há uma nota máxima. Mas, seguindo a federação, pode encorajar os atletas a inovarem e arriscarem mais.