Comissão de Defesa dos Animais alerta sobre castrações em domicílio

Denúncias sobre procedimento irregular foram recebidas pela OAB Animal de Araraquara

Compartilhe

A Comissão de Defesa dos Animais, Subseção de Araraquara, lançou ontem (14), depois de algumas denúncias, advertência para que os proprietários de animais evitem os serviços de castração de profissional que os realize nas residências ou que proceda à retirada desses animais para local desconhecido para realização do procedimento.

Segundo os integrantes do colegiado, houve notícias de que profissional inescrupulosa está oferecendo e realizando serviços cirúrgicos em domicílio ou oferecendo serviços de retirada dos animais para realização do procedimento, sem informar o endereço da clínica onde o procedimento será realizado, a preços muito reduzidos, mas com vários riscos para os pacientes.

Necessário informar que a castração e qualquer outro tipo de cirurgia DEVE SER REALIZADO SOMENTE EM CLÍNICA regularmente inscrita. “Não é a primeira vez que a Comissão tem ciência desse tipo de prática, que classificamos como criminosas”, afirma a presidente do órgão, Carolina M. Galvão. Segundo ela, providências legais para impedir essa prática depende de denúncia, o que não é feito porque as pessoas que contratam esses serviços são mal esclarecidas e acreditam que a simples menção de que estão tratando com veterinária seja garantia de que a intervenção será feita com segurança. O ambiente seguro para intervenção cirúrgica, mesmo a mais simples, deve ser uma clínica, com assepsia e recursos para qualquer emergência. A castração em casa não oferece as mínimas condições de higiene e uma intercorrência, bastante possível em casos de cirurgias, pode ser fatal. “Já foram relatados casos de infecções graves e mesmo óbitos, devido a essas más condições”, assinalou a advogada.

A Comissão faz um pedido para que os proprietários de animais procurados para esse tipo de serviço – castração em domicílio – entrem em contato com o órgão, identificando a pessoa que fez a oferta. A partir dessa identificação pode ser feita uma representação junto ao Conselho Regional de Medicina Veterinária, no qual pode ser determinada até mesmo a cassação do registro profissional.