agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

Arquibancada de R$ 450 mil é alvo de críticas

Construção deveria ser entregue há três anos; Prefeito diz que obra é herança da gestão anterior
Postado em: 09/01/2019 às 16:38
Autor: Redação
Arquibancada de R$ 450 mil é alvo de críticas
Foto: Colaboração

Moradores do município de Nova Europa estão descontentes com os custos e a demora para a entrega de uma obra pública. Trata-se de uma arquibancada no Centro de Lazer do Trabalhador, conhecido como Campo Municipal.

O primeiro motivo da crítica é o alto custo da obra, orçado em cerca de R$ 450 mil. O novo equipamento, no entanto, não tem sequer cobertura.

Questionada, a Prefeitura de Nova Europa informou que a obra é uma “herança deixada pela gestão anterior”. Por meio de nota, a atual administração alega que teve que assumir obrigatoriamente o projeto, sob pena de devolutiva dos recursos corrigidos, e reconhece que a obra não é prioritária. “Caso a atual Administração pudesse escolher e/ou definir o que fazer com tais recursos, certamente não os utilizaria para construir uma arquibancada desse porte, em um local cuja demanda não é condizente com o investimento”, afirma.

Quando o projeto foi aprovado, em 2014, as arquibancadas foram orçadas em R$423 mil, dos quais R$ 300 mil seriam do Governo Federal e a Prefeitura de Nova Europa entraria com R$ 123 mil em contrapartida. A obra não avançou no tempo previsto e o contrato de construção foi rescindido. Em 2017, o município foi obrigado a atualizar o orçamento para realizar uma segunda licitação para a construção das arquibancadas. “Os 3 anos em que a obra ficou paralisada na gestão passada tiveram que ser corrigidos em valores de mercado em 2017. O que custaria R$ 423 mil, passou para R$ 450 mil, sendo que a Prefeitura de Nova Europa ficou responsável por aumentar o investimento de sua contrapartida”, explica a administração.

Sobre a falta de cobertura, a Prefeitura afirma que optou por não incluí-la no projeto para não onerar ainda mais os cofres municipais.  “A economia gerada (com essa decisão) foi de aproximadamente R$ 65 mil”.