agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Notícias
FALE COM A REDAÇÃO:

Enxaqueca não tem cura, mas pode ser controlada

Mulheres têm três vezes mais enxaqueca do que os homens
Postado em: 02/05/2019 às 17:14
Autor: Redação
Enxaqueca não tem cura, mas pode ser controlada

Quem sofre com enxaqueca sabe que não se trata somente de uma simples dor de cabeça. O problema é um desequilíbrio químico do cérebro e pode causar uma série de sintomas. O mais comum é a dor latejante ou pulsátil em um dos lados da cabeça, acompanhada de enjoo e vômito. Também há intolerância à luz, cheiro e barulhos.

Márcia Borner convive com a enxaqueca há quase 30 anos, e as primeiras crises surgiram quando era adolescente. “É difícil a convivência por conta da intensidade da dor durante o dia. É sempre um movimento muito desgastante quando sente a dor. Só quem tem a enxaqueca e convive com uma pessoa que tenha, consegue entender”, conta.

As mulheres têm três vezes mais enxaqueca do que os homens. Para ambos os sexos, no entanto, o principal fator é hereditário, e para evitar as crises que prejudicam tanto a qualidade de vida das pessoas é preciso ficar atento a alguns fatores.

A neurologista Meire Argentoni Baidocchi explica que o diagnóstico é clínico. “Depende da história do paciente e dos sintomas, chegando a conclusão de ser ou não enxaqueca. Não existe nenhum exame complementar para dar esse diagnóstico”, afirma.

Ela ainda conta que “os fatores desencadeantes para a dor de cabeça são insônia, nervoso, ansiedade, privação do sono, bebida alcoólica em excesso, alguns alimentos e cheiros fortes. É preciso procurar os sintomas e mudar o estilo de vida”.

Por ser uma doença bioquímica do cérebro transmitida geneticamente, a enxaqueca ainda não tem cura, mas pode ser controlada com alimentação adequada e atividades físicas regulares e também com medicamentos corretos.

Somente o médico pode dizer qual é a melhor medicação, mas as crises podem ser reduzidas ao evitar os fatores desencadeantes. É recomendado:

– Beber muita água;

– Comer moderadamente;

– Descansar, colocando um pano úmido no local da dor;

– Tomar o remédio recomendado pelo médico. Nunca tome a medicação mais de duas vezes por semana, o que pode piorar as crises.