agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
  
agora, no ar:
...
...
Blogs Raphael Pena É jornalista, atualmente responsável pela comunicação do SISMAR – Sindicato dos Servidores Municiais de Araraquara
FALE COM O COLUNISTA:

Como a estrutura de poder nos mantém escravos voluntários

Texto do século XVI que descreve o poder e a sociedade da época é incrivelmente atual
Postado em: 24/09/2018 às 08:56
Autor: Raphael Pena
Como a estrutura de poder nos mantém escravos voluntários

O texto de onde foram recortados os trechos apresentados abaixo é de 1563 (ou próximo disso), intitulado “Discurso Sobre a Servidão Voluntária”, de Etienne de La Boétie, humanista e filósofo francês. Uma análise político-social da época, na qual ele descreve a estrutura de poder e como ela se impõe nas relações sociais.

Quatro séculos e meio se passaram. Das monarquias às repúblicas democráticas, passando pelo comunismo real. Do feudalismo ao capitalismo. Reis, imperadores, ditadores, presidentes, primeiros-ministros.

Mas, o que foi mesmo que mudou de lá para cá?

“O mais espantoso é sabermos que nem sequer é preciso combater esse tirano, não é preciso defendermo-nos dele. Ele será destruído no dia em que o país se recuse a servi-lo. Não é necessário tirar-lhe nada, basta que ninguém lhe dê coisa alguma. Não é preciso que o país faça coisa alguma em favor de si próprio, basta que não faça nada contra si próprio“.

... “Tomai a resolução de não mais servirdes e sereis livres. Não vos peço que o empurreis ou o derrubeis, mas somente que o não apoieis: não tardareis a ver como, qual Colosso descomunal a que se tire a base, cairá por terra e se quebrará.”

... “Parece à primeira vista incrível, mas é a verdade. São sempre quatro ou cinco os que estão no segredo do tirano, são esses quatro ou cinco que sujeitam o povo à servidão.

Sempre foi a uma escassa meia dúzia que o tirano deu ouvidos, foram sempre esses os que lograram aproximar-se dele ou ser por ele convocados, para serem cúmplices das suas crueldades, companheiros dos seus prazeres, alcoviteiros suas lascívias e com ele beneficiários das rapinas. Tal é a influência deles sobre o caudilho que o povo tem de sofrer não só a maldade dele como também a deles.

Essa meia dúzia tem ao seu serviço mais seiscentos que procedem com eles como eles procedem com o tirano. Abaixo destes seiscentos há seis mil devidamente ensinados a quem confiam ora o governo das províncias ora a administração do dinheiro, para que eles ocultem as suas avarezas e crueldades, para serem seus executores no momento combinado e praticarem tais malefícios que só à sombra deles podem sobreviver e não cair sob a alçada da lei e da justiça. E abaixo de todos estes vêm outros.”

... “Tal cadeia está na origem do crescimento do Senado no tempo de Júlio, do estabelecimento de novos cargos e das eleições de ofícios, que não são de modo algum uma reforma na justiça, mas novo apoio à tirania.

E, pelos favores, ganhos e lucros que os tiranos concedem chega-se a isto: são quase tantas pessoas a quem a tirania parece proveitosa como as que prezam a liberdade.”

... “O tirano submete a uns por intermédio dos outros. É assim protegido por aqueles que, se algo valessem, antes devia recear, e dá razão ao adágio que diz ser a lenha rachada com cunhas feitas da mesma lenha.”

... “Mas os desgraçados, banidos por Deus e pelos homens, suportam de boa mente o mal e descarregam depois esse mal não naquele que os maltrata, mas nos que são como ele maltratados e não têm defesa. À vista dos que servilmente giram em redor do tirano, a executar as suas tiranias e a oprimir o povo, fico muitas vezes espantado com a maldade deles e sinto igualmente pena de tanta estupidez. Porque, em boa verdade, o que fazem eles, ao acercarem-se do tirano, senão afastarem-se da liberdade, darem (por assim dizer) ambas as mãos à servidão e abraçarem a escravatura?”

... “Como se pudessem ganhar alguma coisa de seu, quando da sua própria pessoa não podem dizer que seja sua.”

... ” Esses desgraçados só vêem o brilho dos tesouros do tirano e ficam olhando espantados para o fulgor das suas suntuosidades, deslumbrados com tanto esplendor; aproximam-se e não vêem que estão a atirar-se para o meio de uma fogueira que não tardará a consumi-los. O Sátiro indiscreto (reza a fábula), ao ver aceso o lume descoberto por Prometeu, achou-o tão belo que foi beijá-lo e se queimou.

A borboleta que, esperando encontrar algum prazer, se atira ao fogo, vendo-o luzir, acaba por ser vítima de uma outra qualidade que o fogo tem: a de tudo queimar (diz o poeta lucano).

 

Link para a íntegra o discurso: http://www.miniweb.com.br/biblioteca/Artigos/servidao_voluntaria.pdf

Link para filme “Da Servidão Moderna”, de Jean-François Brient (2009): https://www.youtube.com/watch?v=xAVYFYMFAag

Blogs e colunas

Murilo  Reis
Murilo Reis
Recortes
29/03/2021
Maria Isabel  Escarmin
Maria Isabel Escarmin
Uma nota sobre a solidão
02/10/2017
Matheus  Santos
Matheus Santos
Qual o legado de Edinho Silva?
19/01/2021
Cristiane Tarcinalli  Moretto Raquieli
Cristiane Tarcinalli Moretto Raquieli
Apoiar, acolher e integrar
18/07/2017
Adalberto Cunha
Adalberto Cunha
O uso do plástico na sociedade atual
22/12/2017
Vaine Luiz Barreira
Vaine Luiz Barreira
Meltdown e Spectre
08/01/2018
Rodrigo Viana
Rodrigo Viana
Ignácio, o imortal
15/03/2019
Marcelo  Bonholi
Marcelo Bonholi
A matemática do medo
30/04/2020
Ana Magnani
Ana Magnani
Refletindo sobre invisibilidade
19/02/2021