InícioDestaque Principal“Eu me senti um preso político”, afirma militante preso após colar cartazes...

“Eu me senti um preso político”, afirma militante preso após colar cartazes  

Enquadrados por dano ao patrimônio, militantes foram soltos em audiência de custódia  na tarde desta quinta-feira (7)

Os militantes da causa palestina presos na madrugada desta quinta-feira (7), em Araraquara, foram liberados após audiência de custódia. Tiago Pires, que foi candidato a prefeitura de Araraquara em 2020 pelo Partido da Causa Operário (PCO), e Willian Rodrigo Stin foram detidos pela Guarda Civil Municipal (GCM) enquanto colavam cartazes em equipamentos semafóricos, no centro da cidade.

Os cartazes continham frases contra a ocupação de Gaza com os dizeres “NÃO À OCUPAÇÃO DE GAZA – ABAIXO O GENOCÍDIO ISRAELENSE CONTRA OS PALESTINOS. A ação foi flagrada pelo Sistema de Monitoramento da GCM. Os autores foram abordados por guardas na Avenida Feijó e com eles foram apreendidos seis cartazes, um galão com cola e uma vassoura sem cabo utilizada para colar.

Eles foram encaminhados à delegacia, onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante pelo delito de Dano qualificado por tratar-se de patrimônio público. Foi arbitrada a fiança no valor de R$5.000,00 a cada preso, que não foi paga. Durante a audiência, a Justiça foi contrária à manutenção da prisão, mesmo sem o pagamento dos valores arbitrados.

“Eu me senti um preso político. Fui preso pelo teor que havia nos cartazes. É uma fiança muito desproporcional pro tipo de crime, se é que a gente pode chamar de crime, já que eu não quebrei nada, só colei um cartaz. Isso não é destruir patrimônio”, declarou Pires, em conversa com o Portal Morada. Pires citou ainda que o delegado responsável pelo caso foi vereador pelo PSDB no município de Araraquara.

Mobilização

A prisão dos militantes provocou diversas manifestações em Araraquara. A vereadora Fabi Virgílio (PT) usou as redes sociais para se declarar indignada “com a atuação da Guarda Municipal e da autoridade policial que estava de plantão” em relação ao caso. Segundo a vereadora, a fiança arbitrada era impagável. “Quando a gente vê uma ação dessa, a gente sabe qual é o lado, o posicionamento e a naturalização da barbárie contra o povo”, declarou.

O vereador Guilherme Bianco (PCdoB) pediu a liberdade “imediata de Tiago e Willian” e afirmou que “lutar não é crime”. Imagine você que alguém cole nos postes um cartaz de divulgação de uma festa. Seria justa essa prisão? Óbvio que não”, disse. O vereador disse também suspeitar que as prisões tiveram intenção política.

Para receber notificações de notícias como esta, e não perder nossos conteúdos mais relevantes, faça parte da Comunidade no WhatsApp do Portal Morada – Araraquara e Região clicando aqui.

Leia mais notícias sobre Araraquara e Região em portalmorada.com.br

Luis Antônio
Luis Antônio
Jornalista. Formado em Ciências Sociais e Letras pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Mestrando em Estudos Literários. Apresentador e editor do Jornal da Morada, da Rádio Morada FM 98,1
Notícias relacionadas
- Anúncio -spot_img

Mais lidas